Filtrar
Foi encontrado 1 produto
Filtrar Remover filtros
ESTILO
  1. Design Assinado
  2. Industrial
  3. Móveis Minimalistas
  4. Móveis Modernos
AMBIENTE
  1. Hall De Entrada
  2. Quarto
  3. Sala De Estar
  4. Closet
Preço

Selecionados:

Selecionados:

  1. Industrial
  • Banco Bertoia Madeira Tonalizada Studio Mais Design by Harry Bertoia

    De: R$3.416,00

    Special Price R$2.727,80

    Ou 10x de R$272,78 no cartão
    ou
    R$2.536,85
    7% de desconto em 1x
    ou
    R$2.536,85
    7% de desconto no PIX

Saiba mais sobre o Harry Bertoia

Procurando por móveis criados pelo designer Harry Bertoia para dar o visual que faltava ao seu ambiente? O Atelier Clássico tem a peça ideal para você! 

Brian Lutz, historiador especializado na família Knoll, disse a seguinte frase em sua análise ao trabalho do designer Harry Bertoia: “As pinturas de Harry Bertoia eram melhores do que suas esculturas. E suas esculturas eram melhores que seus móveis. E seus móveis eram absolutamente brilhantes”. 

Artista em todos os sentidos da palavra, Harry (Arieto) Bertoia exalava criatividade como escultor, músico, designer gráfico, pintor e joalheiro. O notável designer italiano, naturalizado nos Estados Unidos, ficou famoso principalmente pela ampla gama de seus trabalhos criativos influenciados pela natureza e por sua terra natal - San Lorenzo di Valvasone Arzene, na província de Pordenone. Quer saber mais sobre o designer Harry Bertoia e o estilo de seus móveis? Então continua lendo. O Atelier Clássico preparou um material sobre a história e carreira desse grande designer. 

Um pouco da história do designer Harry Bertoia 

O designer Harry Bertoia nasceu em 10 de março de 1915, na pequena vila de San Lorenzo, Friuli, Itália, que fica há cerca de 80 quilômetros ao norte de Veneza e 70 quilômetros ao sul da Áustria. Ele tinha dois irmãos mais velhos, Oreste e Ave. E ainda uma irmã que faleceu com apenas dezoito meses de idade. A menina foi objeto de uma das primeiras pinturas feitas por Harry Bertoia

Seu talento, incentivado pela família, era apreciado e procurado pela comunidade. Quando ele ainda era muito jovem as noivas locais pediam que ele desenhasse os padrões de bordado de linho para usarem em seus casamentos. Outro grande reconhecedor do talento do designer Harry Bertoia foi seu primeiro professor de arte.

O homem, que havia se oferecido para dar a ele algumas aulas de desenho, logo disse aos pais que Harry era talentoso demais para que pudesse ensiná-lo qualquer coisa e sugeriu treinamento adicional em arte, talvez em Veneza ou na América. Foi assim que Harry Bertoia tomou a decisão de mudar-se para os Estados Unidos em 1930, quando tinha apenas quinze anos de idade. 

Harry Bertoia decidiu se mudar para Detroit, onde seu irmão Oreste já estava estabelecido. Ao entrar na América do Norte, seu nome, Arieto, foi alterado para Harry Bertoia, uma versão americanizada e com a qual ele, anos depois, ganhou o mundo do design. O processo de adaptação não foi fácil, ele teve que aprender inglês e história. Além disso, designer Harry Bertoia frequentou a Escola Elementar de Cleveland para recuperar o atraso no ensino básico. 

Depois disso, o designer Harry Bertoia entrou na Cass Technical High School, uma escola pública com um programa especial para estudantes talentosos em artes e ciências. Em 1936, ele ganhou uma bolsa de um ano para a Escola de Artes e Ofícios de Detroit, o que lhe permitiu estudar pintura e desenho. Ele participou de muitas competições de arte locais, e é considerado o aluno mais premiado até então. 

No outono de 1937, outra bolsa de estudos o autorizou a se tornar um estudante, novamente de pintura, na Academia de Arte Cranbrook, em Bloomfield Hills, Michigan. Cranbrook era, na época, um caldeirão eclético de criatividade, atraindo muitos artistas e designers famosos: Carl Milles, escultor residente, Maija Grotell, ceramista residente, Walter Gropius, arquiteto da Bauhaus que era professor visitante, a família Saarinen e outros. Os alunos não receberam um diploma; ao contrário, eles descobriram sua paixão. Essa residência em Cranbrook foi um momento decisivo na vida e na carreira do designer Harry Bertoia

Em 1939, Eliel Saarinen, diretor da comunidade artística, pediu ao designer Harry Bertoia, 24 anos, para reabrir a loja de metais. Com a necessidade de metais no tempo de guerra, Harry Bertoia foi forçado a se concentrar em joias, que não usavam muito metal. As formas orgânicas e os detalhes finos das joias evoluíram mais tarde para as formas esculturais iniciais. Ele fazia parte do movimento “arte para vestir”. O designer Harry Bertoia continuou uma atividade depois do expediente que começara como estudante, experimentando e produzindo impressões e desenhos exclusivos conhecidos como monotipos. Os monotipos da década de 1940 são considerados alguns de seus gráficos mais imaginativos. 

Também alunos de Cranbrook os designers Florence Schust (Knoll), Charles Eames e Eero Saarinen - foram extremamente influentes na vida do designer Harry Bertoia nos últimos anos dele na universidade. 

Em 1940, o designer Harry Bertoia conheceu Brigitta Valentiner, filha de Wilhelm Valentiner, diretor do Instituto de Artes de Detroit e o principal especialista em Rembrandt nos Estados Unidos. A história conta que Brigitta tomou a iniciativa e deixou claro seu interesse por Harry. Três anos depois os dois se casaram.   

A relação amorosa também teve efeitos nas influências ao trabalho do designer Harry Bertoia, já que foi Wilhelm Valentiner apresentou seu genro a talentos modernos como Paul Klee, Wassily Kandinsky e Joan Miró, que tiveram um efeito profundo em Harry Bertoia

Em 1950, a convite de Hans e Florence Knoll, da Knoll, Inc., Harry Bertoia se mudou para o leste da Pensilvânia com sua crescente família. Florence Knoll vira seu trabalho em Cranbrook e queria os talentos do designer Harry Bertoia na produção de móveis para sua empresa. 

O estilo dos móveis do designer Harry Bertoia

Na Knoll o designer Harry Bertoia recebeu liberdade para projetar o que ele desejava com crédito total e reconhecimento completo de seu trabalho, que era a política deles para todos os designers. Isso era um fator extremamente importante para Harry Bertoia já que ele passou três anos experimentando madeira compensada e trabalhando com os Eames em Los Angeles, e ficou arrasado quando Charles Eames levou a maior parte do crédito pelo trabalho final. 

Dois anos depois da contratação na Knoll surgiu a primeira coleção assinada pelo artista, a coleção de cadeiras Bertoia. As cadeiras do designer Harry Bertoia se tornaram parte do movimento de móveis modernos da década de 1950, movimento que mais tarde denominado como modernismo de meio século. 

Cabe destacar que, nessa época, os clientes e projetos em todo o Oeste pediram designs leves, elegantes, flexíveis e resistentes, levando os designers a abandonar as formas tradicionais e se concentrar na inovação tecnológica. As estruturas tubulares em aço foram substituídas por estruturas mais finas e leves na barra de ferro.

A madeira compensada fina, modelada e reforçada com novas colas, foi substituída por cadeiras e apoios de madeira maciços, e o estofo de espuma sintética substituiu a crina de cavalo, o metal, as penas e as molas. Novos desenvolvimentos na tecnologia de polímeros também avançaram bastante, permitindo modelar formas de cadeiras em plástico reforçado com fibra de vidro. 

Nesse contexto, o designer Harry Bertoia estava trabalhando com arame, metal, madeira compensada. Além disso, o designer usou a linha como sua musa. 

As cadeiras Bertoia são fusões únicas de escultura, espaço e material industrial. O designer Harry Bertoia projetou uma grade simples de barras de aço inoxidável cromadas e os moldes que as tornaria em assentos funcionais e confortáveis, com uma aparência verdadeiramente inovadora. Os rígidos ângulos retos da grade e as pernas sobre as quais estão firmemente apoiados são equilibrados pelas curvas suaves dos próprios bancos. 

O design aberto da grade confere às cadeiras uma sensação de leveza, mas ainda essas cadeiras são altamente duráveis. A aparência também engana no que diz respeito ao conforto, num primeiro olhar é possível pensar que a rigidez das hastes de aço possa causar algum desconforto, mas ao sentar em uma das cadeiras criadas pelo designer Harry Bertoia, você pode sentir a flexibilidade inerente ao material. Seus projetos não são apenas sobre aparência, Harry Bertoia também se preocupava com conforto e ergonomia, como um objeto pode ser feito para funcionar melhor com o corpo humano. 

A peça mais célebre do designer Harry Bertoia é provavelmente a cadeira escultural de diamante, projetada em arame para Knoll em 1952, mas, é importante destacar que Harry Bertoia também desempenhou um papel essencial no design da cadeira Eames, agora clássica. 

A cadeira Diamond do designer Harry Bertoia é uma cadeira escultural que consiste em uma grade de metal curvada que forma uma forma envolvente única, sem qualquer distinção entre assento e suporte. "Uma verdadeira escultura feita de ar e aço", como Harry Bertoia gosta de chamá-la. A cadeira é robusta, leve e manobrável. Revolucionando o mundo do design e reconhecido mundialmente até hoje, mais de 60 anos após sua criação, essa cadeira é vista como uma das maiores conquistas do design de móveis no século XX. 

Móveis da designer Harry Bertoia no Atelier Clássico 

Procurando por móveis criados pelo designer Harry Bertoia para dar o visual que faltava ao seu ambiente? O Atelier Clássico tem a peça ideal para você! No nosso site você encontra peças famosas do designer. Confira e aproveite.

Índice
Baixe o APP grátis!
Não vai ocupar espaço no seu telefone.